terça-feira, 30 de novembro de 2010

Tá difícil de manter o romantismo...

Bah essas últimas décadas, eu vou te contar... o ser humano ta se puxando em produzir notícia ruim, hein!?!??!
Espero que uma semana dessas, a gente se puxe e tenha umas 20 Cicarelli se amando na praia, mais umas 20 entrevistas do Casillas com a Sara (veja aqui), mais um monte de ações como o free hugs (site oficial)...
Enfim, pra mim já chega de BOPE, caveirão e "nunca serão"...Tá  difícil de manter o romantismo desse jeito.
Haja esperança!

Fotorkut

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Sarau Elétrico - Eu

Eu tenho ido ao Sarau, semana após semana, religiosamente..... Segundo Katia Suman, sou uma usuária. Viciada assumida. Conforme twittei outro dia: Literatura + música + precinho = receita de um final de dia feliz!
Minhas terças ficaram melhores, depois do investimento cultural que eu e Fábio decidimos fazer.
 E espero que consigamos manter o hábito...
Hoje o tema era o EU, e como sempre, saio desse momento de leituras, risadas, e novos horizontes, cheia de vontade de escrever.
Fischer leu Nelson Motta, que mendigava elogios ao seu trabalho. Inevitavelmente, imaginei meu caderno de poesia da adolescencia: tilibra, linha click, com o cenário de uma praia, um barco e dentro dele, 4 modelos. Confesso que a capa que eu queria mesmo era uma com a foto de Gianechinni, Ana Paula Arósio e Taís Araujo, tb adolescentes!..Eles pareciam muito mais felizes!
Talvez tenha sido a capa, que deu o tom das páginas, hoje amareladas, onde eu escrevia minhas palavrinhas tristes.. de uma época em que eu tinha tempo para ficar triste.
Nas primeiras páginas algumas tentativas de sonetos que, por vergonha e agora um pouco mais de consciência (ou talvez com menos efeitos dos meus hormônios), jamais publicaria aqui.
Logo em seguida coisas que gosto até hoje, sabe-se lá porque: "Corpo é ALgo MAis."
Algo que só faz sentido quando escrito... essa sou eu... A sutileza de algumas sílabas...

Viro mais algumas páginas, e vejam só, num ato de consciência, do alto dos meus 15 anos, escrevo sobre o tema do Sarau de hoje:

EU

Meu eu como a lua,
Fechado, porém grande,
Bonito e cintilante
As vezes explosivo como a lua gigante
Outras quietinho tal lua minguante
Sou eu.
Atrevida, bem humorada
Só no pensamento: mal educada...
Quieta! Lua retardada,
boba e apaixonada.

Imagino a voz de Katia Suman lendo essas linhas curtas. (Não, não poderia imaginar Cláudia Tajes, uma vez que meu poeminha não fala em "grande como um pinto" ou "explosivo como um orgasmo"... risos)

Estou no carro, voltando pra casa, e percebo que o trânsito está mais tranquilo que o normal.
23h35 na Assis Brasil e as motos passam brandas entre os carros. Estranho.
Os carros numa velocidade média de 40km/h ou 50km/h, no máximo...
Meu pensamento busca esse caderno, dentro de mim. Recordo algumas palavras e penso: eu gostava de escrever... Eu me encontrava naquelas linhas. Eu me conhecia melhor quando escrevia sobre aqueles sentimentos? 

Talvez esse post seja um resgate, faça parte da minha viagem (pra dentro...), com uma parada importante na primeira conexão: Eu.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Encastelo-me

Eu acho tão bonito isso
De ser abstrato baby
A beleza é mesmo tão fugaz
É uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor pretensão de acontecer..............

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Tuttys + Mamma Mia

Véspera de feriado, o Fabio ia trabalhar até tarde e eu tri a fim de tomar uns chopps...
Exatamente no segundo que termino esse pensamento chega uma msg da telepata Vane Gomes, dizendo:
"Hj? Ceva? Onde???" Hehehehehehehe, e depois ela vem me dizer que eu é que tenho visão além do alcance!
Fomos para o Tutty's - aqui do lado da CDL...
Eu e o Fábio chegamos cedo e estavamos num super papo cabeça sobre amizade.... quando a Vane chegou com mais uma amiga Greyce!
A pauta foi a de sempre: o mural que tinhamos no Marketing, as Jossanadas da Jossana - nossa ex-estagiária, e muito mais que aprontamos juntas enquanto a gente era colega de trabalho.
Coisa boa quando o trabalho nos proporciona conviver com pessoas que não são refratárias.
Sabem como é?
Aquelas pessoas que tu lança uma ideia e o que tu disse é interpretado, gera uma reação, uma nova ideia cheia de exclamações no final, ou simplesmente aquele "baaaaaaahhhhhhhhhh", que resume tudo!
Uma pessoa refratária é aquela que não vibra, tudo que tu diz passa por entre a pessoa, como se fosse uma janela deixando os raios de sol entrarem no comodo....Não tem reação, não tem envolvimento.. parece até que elas não estão ali.
Pra completar o dia, depois de muitas risadas, algumas polares e um sanduiche aberto, assisti o Mamma Mia!
Musical só com músicas do ABBA, com um bando de gente legal no elenco.
Adorei, sou fã de musicais e fiquei com dó de ter deixado passar enquanto estava em cartaz....

Pra dar o tom da vida profissional fica a letra:

Chiquitita

Chiquitita tell me what's wrong
You're enchained by your own sorrow
In your eyes
There is no hope for tomorrow
How I hate to see you like this
There is no way you can deny it
I can see
That you're Oh, so sad, so quiet

Chiquitita tell me the truth
I'm a shoulder you can cry on
Your best friend
I'm the one you must rely on
You were always sure of yourself
Now I see you've broken a feather
I hope
We can patch it up together

Chiquitita, you and I know
How the heartaches come and they go
And the scars they're leaving
You'll be dancing once again
And the pain will end
You will have no time for grieving
Chiquitita you and I cry
But the sun is still in the sky and shining above you
Let me hear you sing once more
Like you did before
Sing a new song, chiquitita
Try once more
Like you did before
Sing a new song, chiquitita

So the walls came tumbling down
And your love's a blown out candle
All is gone
And it seems too hard to handle
Chiquitita tell me the truth
There is no way you can deny it
I see that you're, Oh, so sad, so quiet

Chiquitita, you and I know
How the heartaches come and they go
And the scars they're leaving
You'll be dancing once again
And the pain will end
You will have no time for grieving
Chiquitita, you and I cry
But the sun is still in the sky and shining above you
Let me hear you sing once more
Like you did before
Sing a new song, chiquitita
Try once more
Like you did before
Sing a new song, chiquitita
Try once more
Like you did before
Sing a new song, chiquitita

Pequenina

Pequenina me diga o que está errado
Você está acorrentada em sua própria tristeza
Em seus olhos
Não há esperança para amanhã
Como eu odeio te ver dessa forma
Não há como você negar isso
Eu posso ver
Que você está, oh, tão triste, tão quieta

Pequinina, me diga a verdade
Eu sou o ombro em que você pode chorar
Seu melhor amigo
Eu sou o único em que você pode confiar
Você estava sempre tão segura de si mesma
Agora vejo que você perdeu o senso de humor
Eu espero
Que possamos reconstruí-lo juntos

Pequenina, você e eu sabemos
Como as dores do coração vêm e vão
E as cicatrizes elas estão sumindo
Você estará dançando mais uma vez
E a dor terminará
Você não terá tempo para o luto
Pequenina, você e eu choramos
Mas o sol ainda está no céu e brilhando sobre você
Me deixe te ouvir cantar mais uma vez
Como você fez antes
cante uma nova canção, pequenina
Tente mais uma vez
Como você fez antes
Cante uma nova canção, pequenina

Então as paredes vieram abaixo
E seu amor é como uma vela apagada
Tudo acaba
E parece ser tão difícil de impedir
Pequenina, me diga a verdade
Não há como você negar isso
Eu vejo que você está, oh, tão triste, tão quieta

Pequenina, você e eu sabemos
Como as dores do coração vêm e vão
E as cicatrizes elas estão sumindo
Você estará dançando mais uma vez
E a dor terminará
Você não terá tempo para o luto
Pequenina, você e eu choramos
Mas o sol ainda está no céu e brilhando sobre você
Me deixe te ouvir cantar mais uma vez
Como você fez antes
cante uma nova canção, pequenina
Tente mais uma vez
Como você fez antes
Cante uma nova canção, pequenina
Tente mais uma vez
Como você fez antes
Cante uma nova canção, pequenina

Eleições + Pai + Feira do Livro

Depois de votar e ficar com aquela sensação de vazio...

Fomos almoçar no centro (Mel e Fabio, Marcelo, Ju e pai)..

e completamos a tarde na Feira do Livro.
Fiquei louca de vontade de comprar 2.916 livros..
Mas o principal foi: Cultura da Convergência do Henry Jenkins (Henry Jenkins investiga o alvoroço em torno das novas mídias e expõe as importantes transformações culturais que ocorrem à medida que esses meios convergem. Ele nos introduz aos fãs de Harry Potter, que estão escrevendo suas próprias histórias, enquanto os executivos se debatem para controlar a franquia. Ele nos mostra como o fenômeno Matrix levou a narrativa a novos patamares, criando um universo que junta partes da história entre filmes, quadrinhos, games, websites e animações.By Livraria Cultura)
Só que R$75 não deu...

Foi-se o tempo que a gente ia na Feira e saia com uma sacola de livros pro ano todo....
Ainda mais com a Cultura dando descontos, as Americanas.com vendendo livros e entregando no dia seguinte... É... as coisas estão mudando.

Beijos